ATENÇÃO E CONTROLE DA TURMA: ETAPAS NECESSÁRIAS AO APRENDIZADO

Share:

Todos nós, professores, já lidamos com este problema: uma turma especialmente barulhenta, com a qual se torna impossível o desenvolvimento de qualquer competência matemática. O controle da turma, assim, é um horizonte incontornável para o sucesso de nossos objetivos pedagógicos. Mas como conquistar a atenção de educandos em um mundo tão repleto de distrações?

Há algumas táticas das quais os professores podem lançar mão. Modular a voz, evitando o aborrecido tom monocórdico, é sem dúvidas um instrumento ao alcance de praticamente todos os professores. A movimentação coordenada à frente da turma também – é sabido que o foco em uma imagem estática, no caso a do professor falando, pode levar ao sono.
Tais atributos, porém, não garantem a paz na sala de aula. Além disso, é preciso o famigerado controle de turma. Isto é, meios que assegurem ao professor a coordenação de todas as atividades que transcorrem no tempo de uma aula. Para tanto, separar alunos inquietos é uma tática conhecida, embora nem sempre eficaz. Melhor mesmo é o uso da autoridade sem autoritarismo, ou ainda incentivar a liberdade sem exageros.

Os aspectos mencionados têm aqui uma ambiguidade de difícil trato. Isso porque o exercício constante da autoridade declarada pode levar ao autoritarismo, com consequente perda do afeto imprescindível à ligação com os alunos, ponto necessário para se alcançar os objetivos pedagógicos estabelecidos. Por outro lado, a falta de autoridade pode instaurar uma situação anárquica na sala de aula: de todo indesejável não só para o ensino e aprendizado de matemática, mas também para a formação cidadã.

O conselho é sempre seguir o caminho do meio. Não ignorar as relações afetivas que são construídas com os alunos, eventualmente mesmo suavizando a hierarquia normalmente reinante nas salas de aula, que separa a nós, docentes, dos nossos educandos. De outro ponto de vista, entretanto, é fundamental manter e cultivas o distanciamento interessado dos nossos alunos. Só com essa autonomia relativa podemos almejar uma educação mais profissional, atributo primeiro

Nenhum comentário